Niyat, mudança com rosto de mulher

12 Nov 2021

Uma das participantes do projeto sorri enquanto usa uma velha lata para regar as primeiras plantas de abóbora e milho que estão surgindo. Há algumas semanas ela iniciou sua Milpa e, junto com sua família, está reforçando o cerco para que as cabras não entrem como aconteceu no passado. Ela trouxe do bosque algumas novas plantas de Chaguar, as quais plantou para desencorajar os animais de entrarem no módulo alimentar. 

Em abril de 2021, começamos a desenvolver o projeto Niyat com o objetivo de fortalecer mulheres indígenas em novas formas de governança local para reconhecimento e acesso a direitos. Trabalhar na liderança indígena centrada na mulher é o desafio de Niyat.

Este projeto inovador é financiado pela União Europeia, apoiado e acompanhado pelo Slow Food e implementado pela Fundação Gran Chaco junto a sua equipe de profissionais. Um de seus eixos é a produção de alimentos para suprir as necessidades básicas das famílias e para tentar produzir excedentes que possam ser comercializados e melhorar sua situação socioeconômica das comunidades envolvidas.  

niyat

Apesar das limitações causadas pela pandemia, foram realizadas oficinas em formato virtual onde famílias das comunidades Wichi, Qom e Pilagá compartilharam seus conhecimentos com os técnicos da Fundación Gran Chaco e profissionais do Slow Food. Desta forma, pouco a pouco e com um apoio complexo e comprometido no território, estão sendo criados módulos alimentares em três províncias que, por sua vez, serão o ponto de partida para outras famílias. 

As oficinas foram realizadas on-line, pois a situação pandêmica limitou nossos deslocamentos. Algumas visitas foram feitas, e quando não eram possíveis, nos comunicamos por mensagens. Trabalhamos em 7 oficinas virtuais nas quais fomos discutindo como cultivar de forma agroecológica. É muito enriquecedor compartilhar conhecimentos, assim como aprender com as famílias que estão no campo e com os técnicos que há muito tempo vêm enfrentando inúmeras adversidades.  

“Recentemente começamos nossas próprias hortas e acho que é importante porque aqui na comunidade onde vivemos não temos muitas verduras, todas elas vêm de fora do nosso território. Queremos que nossas comunidades produzam muita comida, envolvendo nossas famílias e recebendo seu apoio”. – Explica Norma Rodríguez, presidente da cooperativa COMAR, membro do povo Wichí e participante do projeto. 

niyatO componente alimentar do projeto Niyat envolve atualmente cerca de 40 famílias e chegará a 120 nos próximos dois anos. Cada família é um núcleo multiplicador que visa a impactar o total de 2400 famílias por meio de capacitações em diferentes formatos.  

“Pense grande e comece pequeno” – disse Franco Herrera, um dos técnicos no início das oficinas. Tomamos isso como uma frase inspiradora, à qual acrescentamos com muito trabalho e um ritmo constante.  

Coordenado pela Fundação Gran Chaco em conjunto com a Rede de Comunidades Rurais (RCR), a Cooperativa de Mulheres Rurais (COMAR), a área de gênero da Faculdade Latino Americana de Ciências Sociais (Flacso) e Slow Food, o projeto Niyat visa a fortalecer mulheres para gerar uma nova governança indígena para o co-desenho de políticas públicas baseadas nos direitos nas áreas rurais do Gran Chaco argentino. O objetivo é promover a liderança indígena, promovendo um processo de articulação interinstitucional para consolidar as comunidades como protagonistas locais das intervenções em seu território, em diálogo com o Estado. 

Mude o mundo através da comida

Aprenda como você pode restaurar ecossistemas, comunidades e sua própria saúde com nosso kit de ferramentas RegeneAction.

Please enable JavaScript in your browser to complete this form.
Nome
Privacy Policy
Newsletter