Hortas escolares: educação sem fronteiras para garantir um futuro melhor

25 Mai 2020

Em Março de 2020, foi lançada uma publicação internacional única em seu tema, para a qual o Slow Food contribuiu com experiências do Quênia, Tanzânia e Uganda relacionadas com o projeto Hortas na África. Trata-se do livro Agrobiodiversidade, Hortas Escolares e Dietas Saudáveis: Promoção da Biodiversidade, Alimentação e Nutrição Sustentável, já disponível online em versão impressa e em formato e-book e que, no final do ano (Dezembro de 2020), estará disponível para download e consulta gratuitos.

As hortas escolares tornam possível algo muito difícil: reunir em uma única atividade os aspectos da soberania alimentar, da produção comunitária de conhecimentos e alimentos, da educação ambiental e cultura gastronômica, da preservação da biodiversidade local e do reforço (ou reativação) dos laços entre o ecossistema e seus habitantes.  width=

São justamente as salas de aula ao ar livre que o Slow Food promove na África há quase 10 anos. Mesmo nestes tempos difíceis (com escolas fechadas em todo o mundo), estas salas de aula não param porque se baseiam em conhecimentos partilhados e replicáveis, pelos quais alunos e professores se sentem orgulhosamente responsáveis e que podem contribuir materialmente quando a comida é escassa ou cara.

É claro que não existe um modelo único de horta escolar. As variáveis são muitas: contextos ecológicos diversos, países de diferentes latitudes e com mais ou menos recursos disponíveis, foco nos aspectos agronómicos ou nos culinários, idade dos alunos envolvidos, envolvimento da comunidade local… width=

O livro Agrobiodiversidade, hortas escolares e dietas saudáveis tem o mérito de trazer à tona essa riqueza e variedade (mais de 75 colaboradores contribuíram para sua publicação). Inclui estudos de casos de todo o mundo (Austrália, Vietnã, Havaí, Filipinas, Índia, Nepal, Marrocos, Líbano, África subsaariana…) de diferentes contextos e experiências, áreas urbanas e rurais, comunidades indígenas e organizações internacionais.

Uma obra interessante para todos, especialmente para aqueles que querem iniciar este tipo de atividade educativa: de fato, são relatadas as práticas melhores sucedidas, bem como os aspectos críticos mais diversos, quais são os elementos essenciais e quais são as estratégias para melhorar e integrar plenamente este tipo de ensino nos currículos escolares.

“Quando falo com colegas, amigos e família sobre o livro [e o seu trabalho], desperta tanto entusiasmo e interesse, ressoa tão claramente para eles, como é importante capacitar as crianças para que possam comer de forma mais saudável, tomar decisões informadas sobre o que crescem e comem e levar uma vida saudável e sustentável”, afirma Danny Hunter, cientista sênior do grupo de pesquisa que trabalhou na publicação.

A rede Slow Food orgulha-se e agradece por ter estado envolvida neste valioso trabalho, produzido pela The Alliance of Bioversity International e CIAT e publicado na série Issues in Agricultural Biodiversity da editora Routledge Earthscan. Graças às entrevistas com os coordenadores da rede Slow Food África, foi dada maior visibilidade a um trabalho fundamental realizado por milhares de voluntários e ativistas e ao esforço e entusiasmo de muitos jovens, de seus professores e de suas famílias. width=

As novas gerações de africanos estão crescendo nas hortas escolares do Slow Food – que são hoje 1.690 em 35 países. Os alunos realizam experiência prática de técnicas agroecológicas, aprendem a respeitar e a amar o ambiente, a recuperar conhecimentos sobre a biodiversidade alimentar local e a sua adaptabilidade ao contexto climático específico, ao mesmo tempo que adquirem competências culinárias quando estão envolvidos na preparação de alimentos na cantina da escola.

Lilian Shoo (16, da horta da Escola Secundária Henry Gogarty, na Tanzânia): “Penso que a jardinagem realmente compensa, além de enriquecer os conteúdos nutricionais importantes nas nossas refeições, também pode ser uma fonte de renda. Quando voltar para casa nas férias, vou realmente partilhar a experiência de jardinagem com a minha família e amigos”. E um agrónomo voluntário salienta que “Esta é uma atividade cujos benefícios tocam a todos. Se bem feitas, as hortas escolares têm a capacidade de alimentar toda a comunidade ao redor da escola”. Charles Kariuki (do sétimo ano da escola Kangoya, no Quênia) partilha o seu entusiasmo: “Participo em atividades de jardinagem porque adoro o trabalho. Aprendi muito, incluindo novas técnicas como hortas de vários andares, hortas portáteis, irrigação por gotejamento com garrafas pet, entre outras. Eu introduzi as técnicas em casa, pois eram novas para a minha família. A horta também cria uma plataforma de socialização, uma vez que normalmente nos encontramos lá e trabalhamos em equipe. Para além da aprendizagem de diferentes competências agrícolas e ciências, organizamos também sessões educativas de contação de histórias uma vez por mês”.

Mude o mundo através da comida

Aprenda como você pode restaurar ecossistemas, comunidades e sua própria saúde com nosso kit de ferramentas RegeneAction.

Please enable JavaScript in your browser to complete this form.
Nome
Privacy Policy
Newsletter