Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, é um dos Campeões da Terra segundo o Programa das Nações para o Meio Ambiente

19 Sep 2013 | English

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) homenageou Carlo Petrini, fundador do Slow Food*, pela extraordinária contribuição para a defesa do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável, declarando-o um dos oito vencedores do prêmio Campeões da Terra, a mais importante premiação das Nações Unidas destinada a líderes e visionários atuando na política, ciência e sociedade civil, que se destacaram na atuação pelo meio ambiente.

No dia 18 de setembro de 2013, Achim Steiner, Subsecretário Geral das Nações Unidas e Diretor Executivo do PNUMA, entregou oficialmente ao Presidente do Slow Food, Carlo Petrini, o Prêmio, durante a cerimônia realizada no Museu Americano de História Natural de Nova Iorque. Richard McCarty, Presidente do Slow Food EUA, representou Carlo Petrini, que não pôde estar presente pessoalmente durante a cerimônia, recebendo o prêmio em seu lugar.

A motivação do PNUMA por ter escolhido Carlo Petrini é: «Com este Prêmio, reconhecemos a sua valiosa atuação como fundador do movimento Slow Food, envolvendo uma rede de mais de 100.000 apoiadores em mais de 150 países. Sublinhando a importância do consumo sustentável e da produção local no contexto de segurança alimentar global, o movimento Slow Food se tornou uma força extraordinária defendendo as tradições alimentares locais, preservando a biodiversidade local e promovendo os produtos de qualidade de pequena escala, com uma atenção cada vez maior para os investimentos no Sul do mundo. Graças aos projetos das Fortalezas e às comunidades do alimento da rede Terra Madre, também conseguiu destacar o importante papel das comunidades indígenas na defesa das tradições alimentares, sendo os guardiães de conhecimentos únicos e insubstituíveis. A rede Terra Madre, da qual fazem parte também 250 universidade e centros de pesquisa no mundo inteiro, promove a pesquisa e o desenvolvimento de ferramentas para uma produção alimentar sustentável, através da educação e da formação».

 

Carlo Petrini e Martha Isabel Ruiz Corzo, Diretora do Grupo Ecológico Sierra Gorda, México Central, receberam o reconhecimento de Campeões da Terra por sua “Inspiração e Ação”.

Além de Carlo Petrini, só mais um europeu ganhou o prêmio, o Comissário Europeu para o Meio Ambiente, Janez Potocnik, por defender uma mudança do atual modelo global de consumo intensivo de recursos, e por ter fixado as metas da União Europeia para o ano 2020, com o objetivo de reduzir os desperdícios alimentares. Janez Potocnik recebeu o Prêmio por sua “Liderança Política” junto com Izabella Teixeira, Ministra do Meio Ambiente do Brasil, e Kapparov Nurlan Zhambulovich, Ministro da Defesa Ambiental do Kazaquistão.

Veerabhadran Ramanathan, Professor do Instituto Scripps de Oceanografia da Califórnia, foi reconhecido por suas pesquisas sobre o carbono negro, e foi nomeado Campeão pela “Ciência e Inovação”. Por último, mas não menos importante, o prêmio aos dois vencedores por sua “Visão empresarial”: o Google Earth e Jack Dangermond, fundador do Environmental Systems Research Institute que desenvolveu o sistema GIS (sistema de informação geográfica) da ESRI, que permite o acesso à mais avançada analítica geoespacial e tecnologia de visualização.

 

Para maiores informações sobre os projetos e as campanhas internacionais do Slow Food, visite:

http://www.slowfoodfoundation.com/welcome_en.lasso?-id_pg=1

 

* O Slow Food é uma organização democrática global que almeja, para todos, o acesso a um alimento bom para os produtores, bom os consumidores e bom para o planeta. O Slow Food é uma associação sem fins lucrativos fundada em 1989, como resposta aos efeitos padronizantes do “fast food”, ao ritmo frenético da vida atual, ao desaparecimento das tradições gastronômicas locais e para chamar a atenção para a origem e o sabor da alimentação, e para como as nossas escolhas alimentares podem ter efeitos para o mundo. O Slow Food acha que todos têm um direito fundamental ao prazer de comer bem e consequentemente têm a responsabilidade de preservar a biodiversidade, a cultura e os conhecimentos que tornam possível esse prazer. O Slow Food conta com mais de 100.000 associados, reunidos em 1.500 convivia – os grupos locais – no mundo inteiro, e com uma rede de 2.000 comunidades do alimento da rede Terra Madre que realizam uma produção alimentar de qualidade, de pequena escala e sustentável. Graças a seus projetos e atividades, o Slow Food envolve milhões de pessoas em 150 países.

 

 

Para maiores informações, entre em contato com o Departamento de Imprensa do Slow Food Internacional:

Paola Nano, +329 8321285 [email protected]

Sharon Aknin, +393274737220 [email protected]

Change the world through food

Learn how you can restore ecosystems, communities and your own health with our RegenerAction Toolkit.

Please enable JavaScript in your browser to complete this form.
Full name
Privacy Policy
Newsletter