Slow Food Coffee Festival 2019: uma plataforma para que as vozes dos pequenos produtores sejam ouvidas no novo projeto de lei nacional do café (Coffee Bill)

Entre os convidados que participarão do evento, o Diretor de Produção do Distrito de Mukono e responsável pelo controle de qualidade da Agência de Desenvolvimento do Ccafé de Uganda, Uganda (Coffee Development Authority – UCDA)

O Slow Food Uganda organizou a 4ª edição do Slow Food Coffee Festival com o tema Nosso Café, Nossa Responsabilidade, Café de Qualidade Responsabilidade de Todos. O evento será realizado sexta-feira, dia 30 de agosto, na prefeitura do Distrito de Mukono, organizado em colaboração com a Fundação Slow Food para a Biodiversidade.

Numa tentativa de revitalizar o setor cafeeiro de Uganda, o governo propôs um novo projeto de lei para o café, o Coffee Bill. O objetivo do projeto de lei é permitir que agência nacional de desenvolvimento do café, a Uganda Coffee Development Authority, regule, promova e supervisione todos os setores ligados à produção do café e supervisione todas as atividades agrícolas e não-agrícolas ao longo de toda cadeia de valor do café. O Slow Food acredita que, apesar da intensão do projeto de lei ser regular o setor do café, há muitas omissões que precisam ser abordadas antes que o projeto se torne lei. E como maiores protagonistas do setor do café, os pequenos produtores precisam ser ouvidos.

“O Slow Food Coffee Festival 2019 quer envolver os principais atores do setor do café em discussões para gerar sugestões capazes de melhorar o projeto de lei, para que os protagonistas não sejam expulsos do setor” – afirma Edward Mukiibi, vice presidente do Slow Food Internacional. “O evento também funcionará como uma plataforma para pressionar o governo a ouvir as opiniões dos cidadãos e a incluí-los no projeto de lei, para que também usufruam das oportunidades de geração de renda do subsetor do café, incluindo a proteção da biodiversidade e do patrimônio do café de Uganda, assim como um meio de vida melhor para o grupo etário mais vulnerável do país.”

O principal objetivo do evento é assegurar a sustentabilidade do setor tradicional do café, envolvendo todas as partes que acreditam no potencial das variedades nativas tradicionais de café de Uganda para subsistência sustentável e geração de riqueza para as comunidades produtoras de café.

O Slow Food Coffee Festival envolverá diversas atividades, entre elas:

  • histórias inspiradoras e relatos pessoais de startups e negócios direta ou indiretamente relacionados ao café em Uganda.
  • Discussões abertas sobre o setor do café, especificamente sobre o projeto de lei. Outras discussões incluirão o empenho dos jovens empreendedores no subsetor do café; subprodutos e economia circular; e café para uso cosmético.
  • Oficinas educativas sobre a cadeia do café
  • Relatos sobre práticas agronômicas sustentáveis e degustação de café
  • Apresentação de documentários relacionados à produção de café e/ou à indústria e cultura do café
  • Atividades lúdicas e artísticas para crianças usando café como material

O Slow Food Uganda realizou diversas intervenções para promover variedades de café nativas e locais, melhorar a qualidade da produção de café ao longo de toda a cadeia de valores e o meio de vida dos pequenos produtores, dando visibilidade, apoio social, técnico e de marketing, além de conscientizar sobre os parâmetros de qualidade do café, que geram maior renda para produtores e outros atores da cadeia de valores. O Slow Food já lançou duas Fortalezas com o objetivo de proteger variedades nativas locais de café: o café Luwero Kisansa e o café Mount Elgon Nyasaland.

Histórico

Uganda é o maior produtor de café da Commonwealth, segundo maior produtor da África e sétimo do mundo. Uganda cultiva três tipos de café: robusta, arábica e libérica, em menor quantidade. O café contribui com cerca de 30% da receita com exportações. O marketing do café é inteiramente liberalizado. Cerca de 81% do café de Uganda é destinado à União Europeia e 14% é exportado para o Sudão. A alta fragmentação da terra nas áreas de cultivo tornou o café uma lavoura predominantemente de pequenos produtores, portanto, o consumo local de café produzido em Uganda permanece baixo. Outros fatores, como escassez de mão de obra e baixos preços de venda, dificultam o setor.

Para mais informações, entrar em contato com:

Slow Food Uganda:

John Wanyu – organizador do evento: j.wanyu@slowfood.it,

info@slowfooduganda.org – +256 702 543335

Sede do Slow Food: Giulia Capaldi – giuliacapaldi@slowfood.it

O Slow Food é uma rede global de comunidades locais fundada em 1989 para prevenir o desaparecimento de culturas e tradições alimentares locais e combater o crescimento da cultura do fast food. Desde a sua fundação, o Slow Food tornou-se um movimento global, envolvendo milhões de pessoas em mais de 160 países, trabalhando para garantir que todos tenham acesso a um alimento bom, limpo e justo. 

  • Did you learn something new from this page?
  • yesno