Slow Food
   

Mais de mil eventos para o Terra Madre Day 2010


Italy - 10 Dec 10

São em número de 1146 em 124 países, os eventos do Terra Madre Day que nestas horas estão se realizando no mundo inteiro, organizados pelos grupos da rede do Slow Food e do Terra Madre. Da Nova Zelândia às Américas, associados, produtores das Fortalezas, comunidades do alimento, cozinheiros, acadêmicos, jovens e músicos se reúnem num evento coletivo de escala global para celebrar o alimento local bom, limpo e justo. Um sucesso cada vez maior, que se repete depois da edição de 2009 (20° aniversário do Slow Food), que contou com 1.028 eventos Terra Madre Day, em 118 países. Objetivo do Terra Madre Day deste ano é a arrecadação de fundos para financiar a criação de mil hortas na África: em escolas, aldeias, periferias das cidades. As hortas do Terra Madre serão administradas pelas comunidades, com o cultivo de variedades locais segundo técnicas sustentáveis. A ideia não é nova, baseando-se nas inúmeras iniciativas (agrícolas e didáticas) já implementadas em vários países africanos (Quênia, Uganda, Costa do Marfim, Mali, Marrocos, Etiópia, Senegal, Tanzânia). A Fundação Slow Food para a Biodiversidade ONLUS se incumbirá da administração dos fundos, coordenando as atividades na África. Para contribuir à realização do projeto escreva para: ortiafrica@terramadre.org Eis alguns exemplos de como as comunidades do alimento irão comemorar o Terra Madre Day 2010: Na Nova Zelândia, as comunidades do alimento dos produtores orgânicos Maori de Aotearoa irão celebrar o patrimônio gastronômico com uma semana de encontros e palestras, apresentando, em colaboração com a Ngati Hine Health Trust, o Terra Madre e o Slow Food. No dia 10 de dezembro, em Kawakawa e Whangarei, no Norte da península, serão organizados dois almoços, chamados Ata Haere… Go Slowly, cujo objetivo é a promoção de um novo estilo de vida, com hábitos alimentares mais saudáveis. Os participantes prepararão os próprios pratos favoritos, utilizando matérias-primas orgânicas produzidas localmente, compartilhando-os com familiares, amigos e toda a comunidade. Entre os produtores orgânicos Maori de Aotearoa há cultivadores de Peruperu (batata Maori), de sete variedades de Kumara (batata doce), de outros tubérculos comestíveis e frutas (laranja, tangerina, kiwi, feijoa), além de criadores de gado. A produção é feita segundo os conhecimentos tradicionais das mulheres Maori, transmitidos pelos Tupuna (os antepassados). Em todos os países dos Bálcãs será apresentado o Manifesto sobre o alimento, a biodiversidade e o patrimônio cultural rural, redigido pela rede do Terra Madre dos Bálcãs, por ocasião do encontro regional que aconteceu em julho de 2010. o Manifesto chama a atenção da sociedade civil, instituições e mundo empresarial para a urgência de preservar a herança agrícola. O documento será apresentado às instituições mais importantes de todos os países dos Bálcãs. Na Bulgária, o Manifesto será divulgado à imprensa no dia 11 de dezembro. No mesmo dia o Slow Food Bulgária vai organizar sua primeira feira de Natal, no Museu de História Nacional de Sófia, com alimentos e outros produtos sustentáveis. As crianças da Georgi Benkovski School de Cherni Vit e da Petko Karavelov School de Sófia irão apresentar um programa musical dedicado ao Terra Madre Day. Os visitantes também poderão comprar cartões de Natal e doces tradicionais. As doações serão destinadas para as próximas atividades que o Slow Food pretende organizar nas escolas. A comunidade Sami começou a colaborar com o Slow Food em 2003, quando foi criada a Fortaleza do “suovas” (filé de rena seco e defumado). A partir desta colaboração nasceu o primeiro Convivium inter-regional, o Slow Food Sápmi, que conta com aproximadamente cem associados na Suécia e Noruega e que espera contar, no futuro, com associados da Finlândia e da península de Kola. Em Jokkmokk (na Suécia), o Terra Madre Day será comemorado com jantares à base de produtos Sami, palestras e música tradicional Joik. Em Uganda, para apoiar a iniciativa das Mil Hortas na África, o Slow Food Mukono irá organizar o evento Living Locally, Eating Locally, um dia de festa, durante o qual pais e agricultores vão ajudar as crianças a trabalharem na horta escolar da Buiga Sunrise Pre-School, compartilhando seus conhecimentos sobre os métodos locais de cultivos tradicionais. Na parte da tarde haverá um laboratório de cozinha, com as receitas tradicionais, para resgatar alguns alimentos típicos esquecidos. O laboratório será coordenado pelas cozinheiras do Terra Madre do Dembe Women’s Group. O Convivium Slow Food Mukuno lançou, em 2006, um programa de educação alimentar, e hoje trabalha com mais de vinte escolas, com o objetivo de aproximar os jovens da agricultura, desenvolvendo métodos inovadores para manter a soberania alimentar e sobretudo focalizar a atenção sobre a criação de hortas escolares, onde frutas e verduras são cultivadas segundo técnicas sustentáveis. Em Santa Barbara, na Costa Rica, mais de cinquenta pessoas de diversas aldeias vizinhas, vão aprender a construir um forno solar, uma ferramenta que utiliza os raios do sol para cozinhar. O evento é organizado pelas mulheres da associação Sol de Vida, uma comunidade do alimento do Terra Madre que promove a agricultura orgânica, a defesa das sementes locais, as técnicas de cultivo tradicional e o uso de energia solar para cozinhar. O público poderá participar dos laboratórios de agroecologia, adquirindo conhecimentos práticos, como por exemplo a produção de fertilizantes naturais. De acordo com a filosofia do Terra Madre Day, o evento vai terminar com um jantar preparado no forno solar. As mulheres do Sol de Vida prepararão alimentos à base de noz ojoche, a fruta de uma árvore que cresce na floresta, e também sopas, tortillas, bolos, doces e outros pratos à base de milho, feijão, mandioca e cúrcuma. O som Afro-Centro American será a trilha sonora do evento, tocando ao ritmo da marimba, instrumento tradicional. Todo ano, no outono, os associados da comunidade de Bellingham, na costa do Estado de Washington, nos Estados Unidos, se reúnem para dividir e preparar o peixe da temporada, para conservá-lo para os meses do inverno. Considerada a importância da pesca tradicional nesta região, o Slow Food Fourth Corner, pelo segundo ano seguido, organiza o evento por ocasião do Terra Madre Day, convidando inúmeros Convivia da região. O final de semana será dedicado à festa, da qual cada um participa cortando e preparando o peixe segundo uma antiga receita bretã. O peixe, atum de albacora, pescado com o anzol ao largo da costa dos Estados Unidos, é preparado e conservado em potes. Este tipo de pesca é certificado pelo Marine Stewardship Council e é um dos tipos de pesca que constam da lista do Monterey Bay Aquarium\'s Seafood Watch.